Divulgação. © Netflix

Em entrevista ao IGN, o diretor Adam Wingard, responsável pelo novo live-action de Death Note, produzido no Ocidente pela Netflix, comentou sobre as diferenças entre o anime e a nova adaptação da famosa série de mangás. Wingard destacou que o produto final ficou bem diferente do material original após as adaptações:

Nos estágios iniciais do filme eu ficava lendo e relendo o mangá, prestando atenção em como tudo aquilo se traduziria para os Estados Unidos. No fim das contas, Death Note é algo muito japonês. Você não pode apenas dizer que quer portar isso e esperar que tudo dê certo. São dois mundos completamente opostos. Basicamente, sempre que falo sobre a América, eu me pergunto quais são os problemas centrais na América. Quais são os assuntos que as pessoas criam teorias da conspiração? Que tipo de programas estranhos e secretos o governo mantém? Como essas coisas funcionam no mundo de Death Note?” destacou.

Wingard também comentou a respeito das diferenças entre L e Light na produção. Enquanto os personagens tiveram seus nomes preservados, sua caracterização deve fugir do que pode ser visto no anime. Adam promete que o filme mantém o núcleo da obra original, com apenas um vislumbre diferente: “O filme está explorando os personagens em um novo contexto. As personalidades são um pouco modificadas… L não é o mesmo. Existem muitas similaridades: ele gosta de doces, às vezes anda sem os sapatos, esse tipo de coisa, mas o personagem é outro.

O único personagem que deve se manter fiel ao mangá e anime é o shinigami e amante de maçãs Ryuk. “Você está em um país diferente, com um ambiente totalmente novo, tentando adaptar uma série cheia de detalhes importantes em um filme de duas horas. Para mim, o longa se tornou sobre o que estes temas representam na sociedade americana atual, e como isso afeta a história. A perseguição de gato e rato entre Light e L, os temas sobre o que é ser bom, mal, e estar na área cinza. Esse tipo de coisa é o núcleo de Death Note, e é nisso que nos mantivemos fiéis,” concluiu o diretor.

Death Note estreia na Netflix no dia 25 de agosto.

  • Felipe K7M

    Ele fala que mudou os personagens mas que mantéu sua essência, não acho que isso funcionará, pois o que faz Death Note ser bom são os personagens icônicos, essa adaptação hollywoodiana, não vou mentir já me parece desanimador

  • douglas

    Foi Mal Amigão
    mas você vai convencer os “OTACO” com isso aí que você falou ?

    • jaiden chiba

      Mas ser britânico e negro é algo comum,os sinais ruins até agora é
      Light aparentemente seguindo o estereótipo batido do nerd loser e as
      mortes parecendo uma sequência de Premonição.

      • Produção Luz da Vida

        exato, o personagem de Light é que para mim esta mais nada haver, no caso do L eu só mudaria o fato dele nao mostrar tanto de si no filme,ao contrario do anime.

  • Bruno Geber

    “No fim das contas, Death Note é algo muito japonês.” E foi com esse mesmo pensamento que nasceu Dragon Ball Evolution.

    • Davi

      Fora que Ghost in the Shell seria muito japonês também, e foi adaptado de forma fiel. É só balela como sempre.

    • Eduardo Oliveira

      Assino em baixo em tudo o que vc falou e digo mais, se fizessem esses filmes baseados em obras asiáticas com pelo menos o diretor ou os produtores tendo de origem asiática talvez o produto final fosse mais mesclado, com características americanas e tbm japonesas ou coreanas, pra citar um exemplo é o novo filme da Netflix chamado Okja que trabalha muito bem essa mescla cultural com parte do elenco sendo ocidental e uma boa parte (tipo a protagonista) sendo asiática sem falar nos elementos de fantasia do filme que muitas vezes lembra os filme do Hayao Miyazaki e tbm alguns filmes da Pixar, sem ser forçado e isso deveria ser levado em consideração quando vc vai trabalhar com produtos originalmente asiáticos e acabam por ser adaptados para o ocidente.

      • Bruno Geber

        Acho errado julgar a capacidade de uma pessoa pela nacionalidade ou até mesmo pela cor da pele, mas pior que eu concordo nesse caso e acho que se colocasse um asiático na frente de Death Note, eles teriam uma visão diferente. Concordo mais por conta de que só vejo americano dizendo que tudo tem que ser adaptado para a realidade deles para serem aceitos, Okja que você falou é prova de que isso é só merda que eles falam, mesmo tendo muitos elementos asiáticos, o filme já é considerado um sucesso pela Netflix apenas nos festivais em que foi exibido no ocidente. Se seguir a mesma receita não está funcionando, tente uma nova, pois a chance de dar errado é só de 50%.

    • Carol

      Dragon Ball nunca daria certo como live action, simplesmente porque é Dragon Ball. Esse título só atrai os fãs, e criar um filme de super poderes igual no anime, só o Japão faz essas bizarrices, o povo do ocidente não é acostumado. Shounen de super poderes nunca vai dar certo em live action, no máximo só os fãs vão gostar.

  • Rafhael Victor

    Vai ser bom, sim, acredite.

  • Thiago Lima

    Não achei uma justificativa para mudar o design do L, até porque ele é britanico…

  • Mirai trunks

    So eu acho que aquele L do filme vai ser um farsante?
    no anime acontece algo parecido com o L mandando um farsante dele para se arpesentar em publico para testar o kira
    nao duvidaria se isso acontecesse no filme

    • Davi

      Não acho, pois o Light é aquele cara mesmo, que não tem nenhuma semelhança com o original, então…

    • Lucas Vinícius

      tipo o q teve com o L. Taylor no anime?

      • Mirai trunks

        sim

    • Thiago Lima

      Seria algo muito interessante, mas acho algo quase impossível de acontecer. Até porque eles não iriam divulgar tanto nome do ator que na teoria só teria sido um farsante e morreria cedo (de acordo com o anime)

      • Mirai trunks

        Verdade pouco provavel
        mas seria legal

  • Davi

    Mas tem roda gigante…

  • Eduardo Jose de Andrade

    Não será um DBE então…..mas eu quero ver e comprovar.

  • Raimundo Dantas

    Se era algo muito japonês e ia ter que mudar isso tudo fazia um filme diferente, não Death Note.