Miraculous – Tales of Ladybug & Cat Noir

Divulgação. © Zagtoon / Method Animation

O canal Gloob, juntamente com a companhia teatral Chaim Produções Artísticas, anunciou um show oficial de Miraculous – As Aventuras de Ladybug, uma das séries animadas de maior sucesso mundial dos últimos tempos.

A produção estreia no dia 24 de junho no Rio de Janeiro, ficando em cartaz por dois finais de semana (24 e 25 de junho; 1 e 2 de julho) no KM de Vantagens Hall, antigo Metropolitan, posteriormente tomando rumo a São Paulo, no Citibank Hall, onde também ficará em cartaz por dois finais de semana (8 e 9; 22 e 23 de julho). Em seguida, o espetáculo sairá em turnê pelo país.

A peça contará com músicas originais da série, exibida diariamente no canal de TV. A história vai revelar a origem dos poderes Miraculous e como Marinette e Adrien se tornaram os super-heróis Ladybug e Cat Noir. Com o dever de salvar a cidade de Paris dos vilões akumatizados por Hawk Moth, seu maior inimigo. A narrativa tem início no primeiro dia de aula, passando por cenários como a Cidade Luz até Dia dos Namorados.

A adaptação do texto e direção fica a cargo de Esteban Grossy. Com Sandro Chaim cuidando da produção geral e Fabio Campos da produção executiva, juntamente com Marinês Chaim como diretora executiva. O espetáculo será realizado pela TIME FOR FUN e as vendas de ingressos para o público do Rio de Janeiro já começaram através do site Tickets for Fun, ou nos pontos de venda espalhados pelo Brasil e bilheterias KM de Vantagens Hall RJ. A venda para o público de São Paulo começa no dia 19 de junho, também pelo Citibank Hall SP.

  • Chico Amaro

    Teve uma peça de teatro da Ladybug em Paulínia, tem ​alguma relação?

  • jaiden chiba

    Se a globo resolver fazer um filme de Miraculous eu viro o Akuma-de Street Fighter!

  • Luis Paulo S.M

    Se tá essa febre toda porque é exibida na tv a cabo, imagina se passar na tv aberta.

  • Eliakim Quintino

    Gloob gosta mesmo de estragar o que já é bom hein? Precisa disso não…

  • Rafael Araújo

    Realmente eu não entendo o porque da maioria dos shows teatrais são realizados em São Paulo e no Rio de janeiro e não no resto do Brasil?

  • Gabriel Cabral

    Teatro? Isso não vai prestar…

  • Luana Lordelo

    O Gloob nem teria adquirido, pra eles animes são ´´violentos´´, sem falar que nesse desenho realmente não tem lutas de verdade, mas isso se deve ao público alvo. E pensar que o anime seria muito melhor.

    • Nero ZeroX

      Concordo…Off.: Eu queria entender o porquê que de uns tempos pra cá a Globo começou com perseguição aos gamers, fãs de aimes, cosplayers e afins…Será que estão com medo da Sony, Nintendo, Toei e cia tirarem audiência…

      • Luana Lordelo

        Eu não sei bem o porquê, mas a Globo tem um ´´entretenimento´´ voltado mais para, o que eles diriam, ´´núcleo familiar´´. Sobre isso dos animes, alguém da Globo disse que não se interessam por essas animações ´´violentas´´, o que é lamentável, visto

        • Nero ZeroX

          Engraçado vindo de uma emissora que prega o desrespeito as autoridades, aos pais, professores e afins, distilam o preconceito, a intolerância e outros como já foi demonstrado em seus seriados, programas e afins vide o caso da Chátima que fez aquela enquete contra os policiais, o aquele episódio da Encheção contra uma corporação ou o preconceito com os gamers, cosplayers e outros mostrados no Desencontro e na novela das oito…e depois pra tentar apaziguar colocam um programa como o Zero1 e ainda tentando derrubar vários governos ( vide o caso Collor, Dilma e o atual)…Off.: Não estou aqui para fazer política ou apoiar a concorrência, só fico revoltado com atitudes desta e de outras emissoras que pregam a hipocrisia, o irônico vindo de uma emissora que tinha Digimon, YugiOh, DB, DBZ e afins e de repente agora todas as séries, e outros vindos do Japão são violentos…Tomara que no futuro, os serviços de streaming, games e afins acabem com audiência destes “terroristas” chamadas emissoras de tv….

    • Icarix_Ace

      A razão, extra-oficialmente, pode-se dizer que é: o Boninho, o responsável pela programação do Gloob. Afinal, o ‘trauma’ e dor de cabeça na década de 2000 com séries japonesas na TV Globinho ‘censuradas’ pelo Ministério Público, como foi o caso de Inuyasha e Power Stone deve ter sido forte demais para ganhar ojeriza por parte dele com animes. Aí fica a velha desculpa de não trazer por conta de violência, mesmo que, como se sabe, outras razões podem servir para se censurar por aqui