Divulgação. © Disney

Em novembro, o Telecine Premium estreia a animação da Disney Moana: Um Mar de Aventuras, a primeira princesa feminista do estúdio.

Lançado em janeiro deste ano nos cinemas brasileiros, o longa foi um grande sucesso de público e crítica, e abriu o diálogo para assuntos mais delicados como representatividade e empoderamento. No mundo todo a produção faturou pouco mais de US$ 640 milhões.

Moana Waialiki, filha de um chefe da Oceania, é uma garota forte e corajosa. Na busca por descobrir mais sobre seu passado e ajudar a família, ela parte em uma aventura para encontrar seus ancestrais, numa ilha onde ninguém sabe onde fica. Acompanhada pelo semideus Maui, Moana começa sua jornada repleta de perigos e descobrindo um pouco mais sobre suas origens.

Moana: Um Mar de Aventuras estreia em 4 de novembro, às 22h no Telecine Premium.

  • Ramon Dom

    Eu tava pensando em assistir esse filme, pelo design e animação. Mas depois de ver esse papo de represethathividadi e feminixmo, desisto.

    • Plagg Camembert

      A única coisa feminista no filme é que a Moana não precisa de príncipe encantado, ela mesma é forte e corajosa e salva a ilha dela, e o filme é muito bom, tem várias músicas chiclete, recomendo assistir.

    • Seto Kaiba

      Olha como um homem dessa geração, acho que todas as pessoas são iguais, esse papo de empoderamento feminino é muito anos 60! Nem dá para acreditar que falam disso em pleno 2017!

      Acho que isso se deve as “meninas” que ainda aparecem por aí sofrendo por um amor e os “meninos das cavernas” ciumentinhos! Culpa dessas músicas de sofrência e sertanejos machistas por aqui no Brasil e aqueles raps bizarros americanos… Aff…
      Já ficou comprovando que mulheres são muito mais efetivas que homens em tudo, quando deixam a ilusão de certas coisas de lado e focam no que importa.

      • Ramon Dom

        Nem vou te responder como gostaria pra não iniciar uma discussão desnecessária.

    • Gugax

      Eu também não entendo essa necessidade de enfiar discurso ideológico em tudo, depois reclamam que as pessoas a ter aversão a esses movimentos mas a forçação de barra é tanta!

      • Ramon Dom

        falou tudo.