Divulgação. © Rede Globo

Neste sábado, 20, a Rede Globo estreia a segunda temporada do programa Zero 1, abordando o que há de melhor na cultura pop novamente sob o comando de Tiago Leifert.

No programa de estreia, Leifert vai jogar o FIFA 17 contra uma jovem expert no game, além de conversar sobre táticas e dicas de quem é profissional.

Além disso, o programa vai falar sobre as celebrações dos 40 anos do primeiro filme de Star Wars e o universo criado por George Lucas e tudo sobre o Switch, novo console da Nintendo, tentando-o com The Legend of Zelda Breath of The Wild.

O Zero 1 vai ao ar aos sábados, na faixa das 0h30.

  • Pra mim esse é o único programa da Globo que presta atualmente (fora os programas de filmes). Mas ainda prefiro os programas de games da PlayTV.

  • Edmar Filho

    Esse programa devia ao ar mais cedo, tipo no horário de programas inúteis da grade como aquele Estrelas da Angélica ou o esporádico “Cine Fã-clube”.

    • Nero ZeroX

      Ou no lugar do Huck e do Faustão…Off.: Não é como o saudoso G4, ou outro da Play Tv apresentado pelo Luciano Amaral, mas dá pro gasto…aliás graças a ele pude ver a diferença entre o PS4 Slim e o Pro e no fim escolhi o Slim, pois o Pro não roda direito em Tvs LED…

    • MeGaNiNjA

      Cine fã-clube é programação local aqui no nordeste, eles colocam um programa genericão sobre lugares bonitos pra se visitar no nordeste

    • claudio

      Exato e trocaria em muita programação em horario de dia e noite deveria ser de madrugada.

  • Joseph

    Que lixo esse programa…devia ter sido descontinuado na primeira semana de tão ruim que é

  • Zarchary Hale

    Oq é um Programa de Games sem começar com Futebol não é mesmo? kkk

  • Eduardo Oliveira

    Tem gente que reclama do programa mas pelo menos ele tá ai fazendo sua função de apresentar a cultura nerd para o grande público que não está acostumado e até pra aqueles que tem seus preconceitos a tal gosto, coisa que eu acho até normal, depois do que fizeram com tantas coisa desse meio que acabaram por ser demonizadas aqui no Brasil, tipo as cartas de Yu-Gi-Oh, os jogos de RPG de tabuleiro e alguns jogos dá época como Doom.